Chat no mensseger

26 de fev de 2011

Órfão de R9, Dentinho tem de assumir responsabilidade no Corinthians

Dentinho é moleque em sua essência. No bom sentido, é o mais brincalhão e ousado do Corinthians. Mas a hora de amadurecer chegou para o garoto de apenas 22 anos.

Neste sábado, diante do Grêmio-PP, às 18h30, no Pacaembu (duelo com transmissão em tempo real pelo LANCENET!), o atacante terá de provar que continuará crescendo, agora órfão do "pai" Ronaldo, que anunciou a aposentadoria. Seus últimos sete gols foram com a presença do Fenômeno em campo.

A última vez em que marcou sem o ex-camisa 9 foi há quase um ano: em 10 de março de 2010, no empate por 1 a 1 com o Cerro Porteño, no Paraguai, pela Copa Libertadores. Na ocasião, Ronaldo havia saído minutos antes e Dentinho, que iniciou no banco, garantiu o empate.

A parceria com o Fenômeno foi de sucesso e rendeu dois títulos, do Paulistão e da Copa do Brasil, em 2009. Mas o garoto, naturalmente e como os outros jogadores, era ofuscado pelo principal ídolo do clube.

O problema é que em 2011 o atacante já se encontra atrás (em moral com a torcida e com o técnico Tite) de Liedson e Jorge Henrique. Nem parece, mas Dentinho é o mais "velho" do grupo. Com 176 jogos pelo clube, foi quem mais vestiu a camisa alvinegra no elenco. É hora de assumir a responsabilidade.

– Eu falo para os meninos que sou experiente (risos). Falando sério, isso (ser o que mais vestiu a camisa do clube) me deixa feliz demais. Sofri muito para chegar ao profissional, e conseguir fazer tantos jogos pelo Corinthians é um sonho para mim e para toda a minha família – disse, em entrevista ao LANCENET!.

Neste sábado, ele será novamente titular após um duro período de treinos. Com a eliminação na Libertadores para o Tolima (COL), foi barrado para melhorar o condicionamento físico e voltou como reserva, diante do Mogi Mirim. Naquele jogo, a primeira vitória foi a prova de idolatria com a torcida. Mesmo no banco, o atacante foi o mais procurado pelas crianças que acompanham os jogadores na entrada no gramado.

Já no último duelo, no clássico contra o Santos, ele teve boa atuação, sofrendo o pênalti do segundo gol da vitória por 3 a 1 do Timão.

O que a torcida alvinegra espera é voltar a ver o Dentinho de 2008. Ele foi o principal destaque do time, e terminou como artilheiro da temporada, com 24 gols em 58 partidas. Desde então, a média foi caindo. Em 2009, fez 14 gols em 51 jogos.

– Espero ser o Dentinho de 2008 ou 2009, que ganhe títulos como naquelas duas temporadas – disse.

No ano passado, foram 11 gols em 40 jogos. Os grandes problemas foram duas graves lesões musculares nas duas coxas, que o tiraram de boa parte do Brasileirão. No período de recuperação, ele também chegou a sentir uma lesão no quadril.

Depois disso, voltou a jogar, viu a equipe perder o título do Brasileirão, ser eliminada da Libertadores e Ronaldo deixar o Corinthians. Experiências não faltam para que ele tenha se tornado um homem. Moleque, só na essência.

As temporadas de Dentinho no Timão

2007 Dentinho (e Bruno) rebaixado

A estreia profissional foi na derrota por 1 a 0 para o arquirrival Palmeiras, pelo Brasileirão. O atacante era reserva e se adaptava aos poucos à equipe. O clube vivia em crise. Em uma época, começou a ser chamado pelo nome, Bruno Bonfim, por orientação do então técnico Paulo César Carpegiani. Naquele ano, fez 20 partidas e marcou dois gols, mas não evitou o rebaixamento para a Série B.

2008 - Destaque e artilheiro do ano

Ao lado do argentino Herrera, formou o ataque titular da equipe do técnico Mano Menezes. Teve ótimas atuações em boa parte da temporada, principalmente na campanha do título da Série B. Terminou como o principal artilheiro da equipe, com 24 gols em 58 partidas. Então, já era considerado novo ídolo da torcida e despertava interesse de clubes da Europa, mas sem propostas concretas.

2009 - Trio ao lado do ídolo

Teve oportunidade de conhecer e jogar ao lado de Ronaldo, um de seus grandes ídolos na carreira. A relação deles era tão boa que o garoto chamava o Fenômeno de pai. Ao lado de R9 e Jorge Henrique, formou um trio ofensivo infernal, que conquistou o Paulistão de forma invicta e a Copa do Brasil. Dentinho fez 14 gols em 51 partidas, mas já virava o terceiro mais badalado entre os três atacantes.

2010 - Com lesões, para esquecer

Começou em alta: teve proposta de seis milhões de euros (cerca de R$ 15 milhões na época) do Fenerbahçe (TUR), mas que foi recusada pelo Corinthians. O atacante começou na reserva e, de tanto entrar e decidir os jogos, voltou a ser titular com Mano Menezes. Ao longo dos meses seguintes, sofreu graves lesões nas duas coxas e ficou um bom tempo afastado. Fez apenas 11 gols em 40 partidas.

2011 - Forma física em xeque

Após a eliminação na Libertadores para o Tolima (COL), ele foi barrado para fazer um trabalho especial com o preparador físico, Eduardo Silva. Nesse meio tempo, viu o "pai" Ronaldo se aposentar. Ao voltar, estava no banco, mas logo entrou e participou de um gol de Liedson, diante do Mogi. O lance foi suficiente para garanti-lo como titular contra o Santos.
E ele foi bem de novo: sofreu um pênalti.

Nenhum comentário:

Postar um comentário